____________________________________________________________________________________________________________________________________
ESCOLA NÃO TEM PORTABILIDADE. NÃO MUDE DE ESCOLA, MUDE SUA ESCOLA!
DENÚNCIAS E RECLAMAÇÕES. SAIBA MAIS > CLIQUE - SEM A FISCALIZAÇÃO DOS USUÁRIOS DOS SISTEMAS PÚBLICO E PRIVADO DE ENSINO NÃO HAVERÁ QUALIDADE DOS SERVIÇOS EDUCACIONAIS.

terça-feira, 26 de maio de 2020



 Workshop : “A COVID-19 e o retorno às aulas: paradigmas de negociação dos conflitos para a Comunidade Escolar”

 🎯  Incentivo na adoção de práticas negociadas no ambiente escolar

🗓29/05 - sexta - feira de 16h até 18h (horario de Brasilia)⏰

✅ ao vivo / on-line
✅ GRATUITO
✅ Conflitos no Setor Educacional

👉🏻Participantes :

⏺ASPA- DF
⏺INBAN
⏺DEFENSORIA PÚBLICA DF
⏺MPDFT
⏺SINPROEP
⏺TJDFT

⚠️ Marque presença ⚠️
Venha participar, convide seu time e divulgue em suas redes👊

➤ Pedimos que enviem as perguntas antecipadamente para o e-mail: aspadf2011@gmail.com

🖥️Transmissão ao vivo pelo Facebook:

https://www.facebook.com/paisealunos/




domingo, 24 de maio de 2020




A Pedagoga Lucimara Morais  compartilha conosco e com nossos visitantes parte de sua experiência na área da educação, desde a declaração da pandemia, pela OMS.

Segue:


                 O ano de 2020 marcará  a nossa história  de uma forma peculiar. A vida corrida, o estudo, o trabalho, a rotina e a liberdade sofreram profundas mudanças. Tudo isso em função de uma pandemia e das medidas de prevenção elaboradas na tentativa de preservar vidas.
                 Em março, quando as escolas brasileiras iniciaram o processo de suspensão das aulas presenciais,  aqui na Itália as perdas eram incontáveis. Um lockdown rigoroso fora decretado na tentativa de conter a disseminação do vírus.
                 Dentro desse contexto, absolutamente novo e inesperado, mantive contato com coordenadores, famílias e professores do Brasil que relatavam as dificuldades próprias do momento. Como reagir? E as aulas mediadas pela tecnologia? E como manter a interação entre estudantes e professores? E a relação escola e família?
                 Para contribuir um pouco e ajudar professores e famílias do Brasil me reuni com colegas, mães e pedagogas que estavam vivendo a mesma situação em outros países. Essas trocas de experiências nos ajudaram a enxergar possibilidades, a sonhar dentro do possível e a perceber que a escuta do outro é um valioso instrumento de direção diante das incertezas. 
                 Esse percurso está à disposição no perfil do @pedagogiaspelomundo e tem auxiliado famílias e escolas na compreensão dos desafios impostos pela suspensão das aulas presenciais.
                 Compartilhei com a ASPA- Associação de Pais e Alunos do Distrito Federal no sentido de fortalecer esse movimento de solidariedade e de  busca de compreensão desse contexto.

Lucimara Morais
Ms em Gestão de Políticas Públicas da Educação Básica

@pedagogiaspelomundo



sexta-feira, 22 de maio de 2020

Pais temem volta às aulas: 23% dos alunos são do grupo de risco da Covid-19

Metrópoles

Pais temem volta às aulas: 23% dos alunos são do grupo de risco da Covid-19

Pesquisa ouviu pais de estudantes de escolas públicas e particulares do DF e constatou medo entre aqueles com crianças mais vulneráveis. LEIA NA ÍNTEGRA>

Photo by Annie Spratt on Unsplash
ENTENDA A QUESTÃO:

A ASPA-DF, por seu Presidente, o advogado Alexandre Veloso,  havia requerido ao Conselho de Educação do DF (CEDF) que estudantes do grupo de risco continuassem a ser assistidos com educação domiciliar, na volta às aulas.  


A Promotoria de Defesa da Educação (PROEDUC/MPDFT) expediu Recomendação ainda mais ampla, assegurando não só o direito de ficar em ensino domiciliar aos estudantes com risco pessoal, mas também no caso de o estudante morar com familiares/responsáveis que estejam no grupo de risco.

quarta-feira, 20 de maio de 2020

RETORNO DAS ESCOLAS SOMENTE EM AGOSTO, DIZ IBANEIS ROCHA!

GOVERNADOR IBANEIS ROCHA DÁ A PALAVRA FINAL. 


O retorno das aulas somente em agosto, se houver condições e segurança. Essa confirmação feita hoje pelo Governador traz um alívio e segurança aos pais de alunos. A ASPA observou nessas últimas semanas o comportamento dos pais com relação ao tema. A maioria está insegura com o retorno das aulas em meio aos riscos de contágio da Covid 19.

Espera-se agora que a Secretaria de Educação envide esforços para começar as aulas online nas escolas públicas e que as escolas particulares continuem a melhorar o serviço que está prestando e que tem agradado a grande maioria dos pais, conforme consulta/enquete feita pelo SINEPE-DF recentemente.  

Veja a repercussão da Nota da ASPA imprensa:

20/05/2020


METRÓPOLES

GDF só pensa em reabrir escolas a partir de agosto, caso seja seguro

"O governador tem dito que as escolas serão as últimas atividades a voltar, por recomendação da Saúde", disse o secretário de Educação.Clique>.






---------------------------------------------------------------------------



terça-feira, 19 de maio de 2020

RESULTADO ENQUETE DO SINEPE



Nota aos Pais

 QUEM GARANTE QUE O MÊS DE JULHO É SEGURO PARA O RETORNO?

          A ASPA DF, Associação de Pais e Alunos do Distrito Federal tomou conhecimento do resultado da pesquisa elaborada pelo Sindicato dos Estabelecimentos Particulares de Ensino do DF e compartilhada com determinado número de pais de alunos de escolas particulares do Distrito Federal.
        A enquete considerou como datas prováveis para o retorno das atividades os meses de maio, junho e julho. A maioria dos respondentes assinalou a última opção como sendo a mais adequada, qual seja o dia 15 de julho de 2020.
      Cabe esclarecer que esta Associação reafirma o seu posicionamento no sentido de apoiar o retorno às aulas mediante o respaldo técnico-científico e sanitário, proveniente dos órgãos governamentais competentes do Distrito Federal, a fim de manter o maior nível de segurança e de integridade física para toda a comunidade escolar, em especial para o grupo de risco.
         Acreditamos, por óbvio, que a escolha da maioria dos pais em optar pelo mês de julho foi tão somente pelo fato de ter sido a opção mais distante do presente momento. Por que não retornar em agosto? Ou mesmo em setembro? Seria a opinião pública da comunidade escolar suficiente para garantir o melhor momento para a retomada?
      O resultado obtido por meio dessa pesquisa pode oferecer às autoridades a falsa impressão de que os pais desejam determinar a data do retorno às atividades, sem, contudo, considerar a possível manutenção da quantidade elevada de casos da doença.
        Apesar de louvável, a busca pelo conhecimento da opinião da comunidade escolar não pode imputar às famílias o peso desta importante decisão, visto que muitos só tem acesso às informações divulgadas pelos órgãos de comunicação.
         Gostaríamos de indagar ao SINEPE se foi levantado o quantitativo exato das pessoas da comunidade escolar que integram algum grupo de risco. Outro aspecto a ser considerado trata-se da necessária adequação das medidas sanitárias, a fim de protegê-los por ocasião do retorno às aulas
A ASPA defende que as escolas estabeleçam protocolos de segurança sanitária, quando a data for definida pelas autoridades, ainda assim, seja garantido o ensino remoto para aqueles que não tiverem plenas condições de retorno, sem prejuízo do ano letivo.
Foi verificado que a pesquisa realizada não abordou outro aspecto deveras preocupante para todas as famílias, qual seja, se os pais entendem ser pertinente desconto nas mensalidades durante o período em que houver atividades remotas, observando as particularidades de cada contrato.
Por fim, ratificamos que o momento é de união de esforços para que possamos atuar como agentes de fiscalização, não apenas em relação à qualidade do ensino que está sendo ofertada, mas principalmente no que diz respeito à proteção integral dos nossos filhos e de toda a comunidade escolar!


ASPA-DF - ASSOCIAÇÃO DE PAIS DE ALUNOS DAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO DO DF

Entre em contato: (61) 98383-2772 (whatsapp) – Vivo 99911-2772 –Youtube: http://www.youtube.com/aspadf  | Facebook http://www.facebook.com/aspadf | Twitter:  @aspadf | www.aspadf11.org.br


domingo, 17 de maio de 2020

NOTA PÚBLICA - RETORNO ÀS AULAS


Nota – Momento de Retorno às aulas presenciais –

A ASPA-DF - “Associação de Pais de Alunos do Distrito Federal” é uma entidade de interesse social sem fins lucrativos, apartidária e que luta pela defesa dos usuários dos ensinos público e privado, da creche à universidade. Foi instituída pela CONFENAPA - Confederação Nacional das Associações de Pais e Alunos, em setembro de 2011.
Nossa missão é pautada na busca por uma educação de qualidade e que acolha todas as classes da sociedade. Como Entidade de interesse social, nos termos da legislação, com legitimidade para atuar nos interesses coletivos e difusos que envolvem a defesa do direito à educação de seus associados e também não-associados.

quarta-feira, 22 de abril de 2020

NOTA PÚBLICA VOLTA ÀS AULAS



NOTA PÚBLICA

A Associação de Pais de Alunos das Instituições de Ensino do DF – ASPA-DF - vem a público declarar seu apoio aos pais de alunos das escolas públicas/privadas e cívico-militares neste momento que o GDF estuda o retorno às aulas em junho e a antecipação em maio para algumas escolas.

Ante as incertezas em torno da pandemia do coronavírus, espera-se do Poder Público a transparência com a divulgação de informação acerca dos planos de contingência disponibilizados na capital.

Torna-se essencial a apresentação, para a comunidade escolar, de protocolo específico de conduta para cada unidade, com a necessária alteração do plano operacional das escolas, em que sejam contemplados procedimentos tais como:

       cuidados com os alunos que apresentem doenças crônicas, em tratamento contínuo, que são agravantes para a doença, ofertando a esses o ensino a distância. Para tanto é imprescindível o levantamento prévio do número desses indivíduos;

       testagem de exames para a Covid-19 e acompanhamento de alunos, professores e funcionários, além de seus respectivos familiares, de forma rotineira, já que eles se deslocarão todos os dias e estarão expostos ao vírus;

       previsão de vagas hospitalares, se assim for necessário, no caso de contágio pelo COVID-19;

       distanciamento de carteiras e procedimentos acerca do distanciamento nas áreas comuns, como nos intervalos, quando toda a escola se reúne em pátios;

       o manejo adequado junto aos proprietários de transporte escolar, que leva os alunos;

       redução do número de alunos por sala de aula;

       considere um capítulo específico de ações preventivas e profiláticas para se evitar o contágio pelo coronavírus, como a distribuição de máscaras e material de higiene e álcool em gel.

Assim, antes de voltar à efetiva abertura dessas escolas, necessário saber se há a possibilidade de o Governo prover, junto com as Secretarias de Educação e Segurança Pública, todas as medidas necessárias a fim de garantir a pais, alunos, funcionários e comunidades daquelas escolas integridade física e psicológica do grupo.

A Associação defende a necessidade das Autoridades constituídas buscarem a participação e cooperação de todos os segmentos envolvidos no processo, devendo inclusive se valer do Conselho de Governo, que tem como competência se pronunciar sobre questões relevantes suscitadas pelo Governo do DF.

Assim, esperamos que a comunidade escolar seja ouvida para que, junto com às autoridades constituídas, possamos encontrar soluções objetivas e seguras, com intuito de se buscar tranquilidade nos lares dos pais de alunos.

Como é do conhecimento, no DF a escolha dos colégios que estão sob a gestão compartilhada foi feita, inicialmente, pelo cálculo do Índice de Vulnerabilidade Escolar (IVE). Além desse índice, é feita também uma consulta à comunidade escolar para saber se ela é favorável ou não à implementação da Gestão Compartilhada.

Esta Associação se coloca à disposição da comunidade de pais de alunos e do Governo do Distrito Federal para colaborar com a proposição de ações que minimizem os efeitos desta crise.

Ajudem-nos a continuar o diálogo com as Autoridades para buscar alternativas que possam minimizar os efeitos deste momento vivido na educação do DF.

ASPA-DF - ASSOCIAÇÃO DE PAIS DE ALUNOS DAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO DO DF
Entre em contato: (61) 98383-2772 (whatsapp) – Vivo 99911-2772 –Youtube: http://www.youtube.com/aspadf  | Facebook http://www.facebook.com/aspadf | Twitter:  @aspadf | www.aspadf11.org.br

quarta-feira, 15 de abril de 2020

PROJETO CLDF - MENSALIDADE ESCOLAR SEM A PARTICIPAÇÃO DA ASPA-DF

NÃO SE TRATA DE DESCONTO. É APENAS FLEXIBILIZAÇÃO DA DÍVIDA COM A ESCOLA. AS PARCELAS DA DÍVIDA SERÃO SOMADAS À MENSALIDADE NORMAL MÊS A MÊS!

O Presidente da ASPA-DF, o advogado Alexandre Veloso,  falou ao DF1 hoje. O projeto não foi discutido com a Associação de Pais - ASPA-DF.  Os pais que aderirem ao disposto na Lei serão impedidos de fazerem outros acordos mais vantajosos e até, eventualmente, discutir a dívida em juízo.



Assista à reportagem do DF1: Deputados aprovam projeto que dá desconto em mensalidades das escolas. CLIQUE AQUI >  

quinta-feira, 2 de abril de 2020

DESCONTO MENSALIDADES ESCOLARES


ALGUNS PONTOS QUE MERECEM REFLEXÃO ACERCA DA MENSALIDADE ESCOLAR :


A Associação vem atuando no diálogo com os diversos segmentos, a fim de buscar algumas respostas acerca da possibilidade de se reduzir, ou não, o valor da mensalidade neste momento, sem que isso acarrete demissão de funcionários ou professores.

Perguntas:

Redução ou Aumento de custos da Escola?

1) Redução de água e de luz;
2) Funcionários de Férias ou Afastados: há redução de custos com vale-transporte e vale-alimentação;
3) Eventual aumento com a implantação do Ensino a Distância - EAD;
4) Em que custos a adoção do ensino a distância implica?
5) Todas as escolas suportam esse tipo de redução na mensalidade?

CONTINUAR LENDO>

sexta-feira, 27 de março de 2020

CONSELHO DE EDUCAÇÃO APROVA PARECER EMERGENCIAL PARA AS ESCOLAS PÚBLICAS E PRIVADAS



NOTA

CONSELHO DE EDUCAÇÃO APROVA PARECER EMERGENCIAL PARA AS ESCOLAS PÚBLICAS E PRIVADAS

O CEDF aprovou, por unanimidade, o Parecer que autoriza o Ensino a Distância para as escolas públicas e privadas em todos os ciclos da educação. Agora, o DF segue ao lado de GO, ES, SP, RS que já haviam aprovado norma semelhante.

A manifestação do CEDF partiu da provocação da Associação De Pais de Alunos das Instituições de Ensino do DF - ASPA-DF, que engloba os interesses de pais de estudantes das duas redes de ensino, a pública e privada, e também do Sindicato das Escolas Particulares SINEPE.

Durante o debate da proposta no Conselho de Educação, o representante da ASPA, Alexandre Veloso, defendeu a participação dos demais segmentos da comunidade escolar, como pais de alunos, na reorganização das ações pedagógicas e do calendário escolar em todos os níveis, etapas e modalidades de ensino.

Outra preocupação que a Associação ressaltou foi a necessidade de, mesmo em rotina a distancia, buscar respeitar as necessidades educacionais especiais de cada estudante, bem como a escolha adequada dos recursos e tecnologias acessíveis, assim como os processo de avaliação e  interação, a fim de não haver barreiras na construção da aprendizagem.

As duas ponderações foram asseguradas no documento aprovado e encaminhado  a Secretaria de Educação para homologação.

CONTINUE LENDO>

terça-feira, 17 de março de 2020


REUNIÃO DE ESCLARECIMENTOS SOBRE O DECRETO N. 40.520, DE 14/03/2020 E ALTERAÇÕES.

Com o propósito de esclarecer aos Pais de Alunos as implicações do Decreto do Governo do Distrito Federal, a Associação de Pais de Alunos das Instituições de Ensino do Distrito Federal – ASPA-DF – compareceu no dia 16/03, no SINEPE para debater vários aspectos relacionados a suspensão de aulas na rede privada, e eventuais reflexos na rede pública de ensino.


Plenária do SINEPE
Inicialmente em consenso foi criado um Comitê de Acompanhamento do Setor Educacional, em que a ASPA-DF participará representando pais de alunos das escolas públicas e particulares, abrangendo a educação básica ao ensino superior.
Há concordância de que a rede pública e privada de ensino deverão acatar integralmente ao Decreto suspendendo temporariamente as aulas para a educação básica e ensino médio, no período de 16/03 até 30/03 deste ano, podendo a rede particular considerar para isso como suspensão das aulas ou antecipação do recesso/férias, a critério de cada direção ou dono da escola.
CONTINUAR LENDO> 

quinta-feira, 21 de novembro de 2019



NOTA

NÃO PODEMOS TOLERAR A EROTIZAÇÃO DE NOSSAS CRIANÇAS EM SALAS DE AULA
O Centro de Ensino Fundamental, CEF,  localizado na quadra 104 Norte, está no holofote da mídia, infelizmente com uma notícia lamentável em desfavor da educação, atacando mais uma vez nossas crianças dentro da sala de aula.
O episódio foi registrado por vídeo e por imagem e mostra o professor, de língua portuguesa, passando conteúdo no quadro utilizando-se de termos pornográficos e chulos, com a “intenção” de criar  um contexto de aula de "sexualidade não formal".  Segundo o professor, ensinamentos recebidos em treinamento realizado em Minas Gerais.
A ASPA, que desde há muito denuncia estas práticas criminosas, vem a público, novamente, manifestar seu mais veemente repúdio a esta prática, vista com normalidade por ideólogos ativistas travestidos de professores que defendem esta e outras práticas nefastas.
Reforça  seu compromisso de combate à erotização e sexualização precoce  de nossas crianças em qualquer ambiente, principalmente dentro das nossas escolas.
Defendemos e continuaremos a defender uma educação de qualidade e a aplicação da lei e seu rigor, para estes e outros desvios na aplicação curricular.
A sociedade brasileira acordou para estas e outras práticas que vinham acontecendo e tornando as escolas, públicas e privadas, um ambiente ideal para doutrinação marxista e gramscista, em absoluto desacordo com a vontade dos pais e da lei. Atitudes como o episódio em comento fere a Constituição Federal, a Lei de Diretrizes e Bases da Educação e demais legislação civil, bem como tratados internacionais, e isso não pode ficar impune.
Os novos tempos favorecem as denúncias, que partem inclusive dos estudantes, mesmo os de idade tenra do ensino fundamental. A ASPA, atenta a estes movimentos de denúncia, apoia e conclama para que ele seja contínuo e crescente.
Estamos de olho e seremos porta-vozes dos pais de alunos que necessitarem, por variados motivos, serem representados e ouvidos.
Colocamo-nos à disposição da sociedade para receber denúncias destas práticas que chocam e causam espécie e revolta, no âmbito das escolas públicas e particulares.
Os interessados em entrar em contato com a Associação de Pais de Alunos das Instituições de Ensino do DF podem ligar para o telefone (61) 99911-2772 ou pelo e-mail: aspadf11@gmail.com

terça-feira, 29 de outubro de 2019

 Correio Braziliense. 
Pais devem ficar atentos na hora de matricular filhos em escolas privadas
Antes de matricular crianças e adolescentes em escolas privadas, pais e responsáveis devem checar se a instituição está cadastrada junto à Secretaria de Educação. Compra de material para 2020 também precisa ser planejada.

EDITAL DE CONVOCAÇÃO
 Assembleia Geral Ordinária

ASPA-DF - Associação de Pais de Alunos das Instituições de Ensino do Distrito Federal.

O Presidente da Associação de Pais e Alunos das Instituições de Ensino do Distrito Federal, públicas e privadas, com fulcro nos Artigos 16 a 19 do seu Estatuto Social, convoca todos os seus filiados, em dia com suas obrigações associativas, para a ASSEMBLEIA GERAL ORDINÁRIA - AGO a ser realizada na SHCN CL, Qd. 107, Bl. "C", Salas 213, 215, 217 e 218 - A Norte, Brasília/DF, no dia 07 de novembro de 2019, quinta-feria, às 19h30min, em primeira convocação, e às 20h, em segunda convocação, para deliberarem sobre os seguintes assuntos:

1) Prestação de contas
2) Alteração do Estatuto Social
3) Alteração do Endereço da Sede
4) Eleição da Diretoria Executiva e Conselhos Consultivo e Fiscal para o quadriênio de 2019-2023
                    Brasília, em 29/10/2019.

Luis Claudio Megiorin
Presidente

quinta-feira, 12 de setembro de 2019

O MODELO DE GESTÃO DA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR PRECISA SER MUDADO URGENTEMENTE


O MODELO DE GESTÃO DA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR PRECISA SER MUDADO URGENTEMENTE


Equipe do CAE da SEEDF em visita de observação em uma escola 
em Florianópolis - SC.
Não é a primeira vez que a Secretaria de Educação tem problemas com a alimentação escolar servida aos alunos da rede pública. Já tivemos problemas de toda ordem no processo de oferta, que vão desde a aquisição, armazenamento, falta de gás  até a distribuição. Recentemente, vimos que a SEEDF adquiriu carnes processadas com teor de gordura acima do recomendado. Por determinação da Secretaria de Educação todo restante de estoque foi recolhido e a empresa responsável terá que adequar a oferta de carnes dentro do padrão recomendado.

terça-feira, 20 de agosto de 2019

QUEM DERRUBOU O SECRETÁRIO DE EDUCAÇÃO?


QUEM DERRUBOU O SECRETÁRIO DE EDUCAÇÃO?

Solenidade de lançamento das Escolas Compartilhadas do Distrito Federal e Operação Volta às Aulas em fevereiro, no Centro Educacional 01 (Estrutural) | Foto: Renato Alves / Agência Brasília

Com a motivação pela saída do Secretário de Educação vemos mais uma vez que a educação do DF é sobremodo partidarizada e com o foco somente nos professores e profissionais da educação. Essa situação tem que mudar, o foco tem que ser nos alunos e nos resultados da educação. Nem que para que isso Ibaneis tenha que lançar mão da contratação de professores via Organizações Sociais. Aliás, um dos pontos da negociação pelo fim da única greve de professores em 2017, a não terceirização.

domingo, 18 de agosto de 2019

DUAS DAS 6 ESCOLAS REJEITAM A GESTÃO COMPARTILHADA CÍVICO-MILITAR


Somente a justiça poderá impedir o Governador Ibaneis a não  implantar a nova gestão compartilha nas duas escolas onde a proposta foi rejeitada.

Votação no CEF 19, de Taguatinga – Foto: Luiz Tavares/Ascom/Secretaria de Educação
Nesse sábado, houve votação, baseada na lei da Gestão Democrática 4.751/”2012”, para referendar ou não a gestão Compartilhada Cívico-Militar. Entretanto, das 5 escolas onde o pleito foi realizado, apenas 3 a proposta foi vencedora, 2 outras: o Gisno e o CEF 407 de Samambaia o modelo foi rejeitado por um pequena margem de votos. Houve gestão externa e campanha profissional com argumentos falaciosos e de medo para perssuadir os alunos a votarem não. Veja como ficaram as votações:


segunda-feira, 5 de agosto de 2019

GESTÃO CÍVICO-MILITAR NAS ESCOLAS. Pesquisa aponta o que a ASPA já sabia!

Alunos do CED 7 visitam Colégio Militar de Brasília   Foto: Acácio Pinheiro/Agência Brasília



Pesquisa realizada pela Secretaria de Segurança Pública  -SSP-DF apontou grande aprovação do modelo de gestão compartilhada cívico-militar onde foi implantada. Foram 4 escolas que iniciaram com o novo sistema em fevereiro deste ano. Mais 6 escolas receberão em breve o exitoso trabalho em conjunto com a SEEDF e SSPDF. 

  • A pesquisa foi realizada com a participação de 1.252 pessoas, sendo 962 estudantes, além de professores, militares e servidores das escolas.  
  • A expressão da vontade da permanência do programa contou com o apoio de 75% dos professores e 53% cento dos alunos e 86,9% dos servidores (veja mais detalhes no final).

Como já dissemos, o modelo de gestão escolar militar foi testado e aprovado em outros Estados. Luis Claudio Megiorin, Presidente da ASPA-DF, visitou no início deste ano o Colégio da Polícia Militar Dr. César Toledo, em Anápolis - GO, que há 14 anos começou como as nossas escolas do DF. Hoje a escola é referência no Estado de Goiás, com fila de alunos querendo ingressar nessa e em outras instituições de ensino com esse modelo. Segundo Megiorin, a gestão militar nas escolas tem resultados de curto, médio e longo prazo. Em países desenvolvidos, os Colégios Militares também têm melhores resultados, como aqui no Brasil.

"Os primeiros resultados da gestão militar nas escolas aparecem em curtíssimo prazo como pode-se observar em conversa com a comunidade escolar retratada na pesquisa: sensação de segurança e ambiente mais disciplinado que melhora sensivelmente a qualidade da aprendizagem. Estamos certos que no final desse ano virão relatórios de melhoria no desempenho escolar," afirmou o Representante dos Pais de alunos no DF!

ASPA-DF





terça-feira, 16 de julho de 2019

DEBATE NA BAND NEWS FM AMPLIAÇÃO DA GESTÃO CÍVICO-MILITAR NAS ESCOLAS.

Nesta segunda-feira o Presidente da ASPA-DF, o advogado Luis Claudio Megiorin, participou do Debate promovido pela Rádio Band News FM Brasília, com a participação do Sindicato dos Professores e Secretaria de Educação, sobre a "militarização" de algumas escolas públicas do DF. 


Você pode ver e ouvir o debate que contou também com a participação dos ouvintes, realizado por Rodrigo Orengo, Adriano Oliveira e Talyta Almeida.

A opinião do Presidente da ASPA está no ponto a partir de:  1:21:17

Escola onde assistir:

      YOUTUBE>Clique>                        Facebook>Clique>


sábado, 13 de julho de 2019

REUNIÃO INÉDITA E EXCLUSIVA ENTRE REPRESENTANTE DE PAIS DE ALUNOS E MINISTRO DA EDUCAÇÃO


REUNIÃO INÉDITA E EXCLUSIVA ENTRE REPRESENTANTE DE PAIS DE ALUNOS E MINISTRO DA EDUCAÇÃO


Deputada Bia Kicis, Min. Abraham Weintraub e Luis Claudio Megiorin
Ontem, o Presidente da ASPA-DF e Coordenador da Confederação Nacional das Associações de Pais e Alunos - CONFENAPA, o advogado Luis Claudio Megiorin, esteve reunido no MEC num encontro inédito articulado na semana passada pela  Deputada Bia Kicis com o Ministro de Educação Abraham Weintraub.

quinta-feira, 11 de julho de 2019

COLÉGIO GISNO, 907 NORTE, UMA DAS 6 ESCOLAS QUE PODERÁ TER GESTÃO CÍVICO-MILITAR

MAIS 6 ESCOLAS COM GESTÃO COMPARTILHADA CÍVICO-MILITAR.

Entrada do Gisno- escola pública de Brasília Foto: Isabella Calzolari site G1
O DF contará com mais seis escolas com gestão compartilhada cívico-militar. Além do GISNO, escola que conta com ensino fundamental e médio, outras como: do Condomínio Estância III, em Planaltina, CEDs 19, em Taguatinga, 407, Samambaia, 01, Núcleo Bandeirante e 05, Paranoá. (Correio Braziliense de hoje)

Foto: Augusto Fernandes/Esp. CB/D.A. Press
"É uma excelente notícia que vem ao encontro do desejo da imensa maioria dos pais e alunos. Escolas com maior controle da disciplina em prol de uma educação de melhor qualidade e com segurança.  Como havíamos falado em matéria no site da aspa, por ocasião da visita do Colégio César Toledo em Anápolis, o modelo de gestão escolar deveria ser estendido não só às  escolas que estão inseridas em áreas de vulnerabilidade social, mas também às do Plano Piloto que atendem estudantes que moram  nessas áreas", reafirmou o Presidente da ASPA, o adv. Luis Claudio Megiorin. (http://bit.ly/2SaKIcE).
 

Megiorin falou ainda que as escolas cívico-militares são uma excelente alternativa também para atender os alunos da socioeducação, menores em conflito com a lei, que são matriculados, por ordem da Justiça e do MP, sem que as escolas saibam de seus passados. Esperamos que o MP tenha essa visão estratégica ao encaminhar esses adolescentes às escolas. O representante dos pais de alunos entende que esse exitoso modelo deve ser expandido para que cada região administrativa tenha pelo menos uma escola dessa natureza.


terça-feira, 2 de julho de 2019

A COBRANÇA DE TAXA MATERIAL DE USO COLETIVO


CÂMARA LEGISLATIVA PROÍBE NOVAMENTE A COBRANÇA DE TAXA MATERIAL DE USO COLETIVO.

Montagem Luca HM. ALGUNS EXEMPLOS DE MATERIAIS COLETIVOS
Mais uma lei distrital foi publicada na última sexta-feira, dia 28 de junho, sobre material escolar coletivo, sendo mais incisiva quanto à proibição da cobrança de taxa que algumas escolas ainda insistem em fazê-lo. O DF já possui Lei explícita a respeito, desde 2009 que se adiantou à outra norma de 2013 que inseriu no § 7º do artigo 1º da Lei 9.870/99 a proibição, não somente da cobrança da taxa, mas também do pedido de fornecimento, em lista, pelos pais, do material de uso comuns dos estudantes e das instituições, necessários para o funcionamento da escola. Lembrando que com muito mais razão essa proibição estende-se às escolas públicas também! Saiba mais detalhes sobre as duas leis>

quarta-feira, 29 de maio de 2019

ALTERAÇÃO DO REGIMENTO DAS ESCOLAS PÚBLICAS TORNA MAIS RÍGIDA A DISCIPLINA NO AMBIENTE ESCOLAR.


ALTERAÇÃO DO REGIMENTO DAS ESCOLAS PÚBLICAS TORNA MAIS RÍGIDA A DISCIPLINA NO AMBIENTE ESCOLAR.


FOTO: LUIS TAVARES - ASCOM - SEEDF

O Conselho de Educação do Distrito Federal - CEDF aprovou ontem o Parecer que altera o Regimento Escolar - RE das escolas públicas. O Relator do parecer foi o Conselheiro Luis Claudio Megiorin, que é advogado e Presidente da Associação de Pais e Alunos do DF - ASPA-DF.

O Presidente do CEDF, Prof. Mário Sérgio Mafra, tinha expectativa de votar e aprovar o Parecer, em caráter de urgência, na sessão do dia 21 de maio. Somente com a leitura do inteiro teor, com 22 laudas, gastou-se cerca de uma hora e meia. Após a leitura, houve intenso debate e percebeu-se a necessidade de oportunizar um prazo para que os conselheiros apresentassem contribuições para análise do Relator. Assim, a discussão foi adiada para a data de ontem, 28 de maio, quando foram apreciadas as sugestões dos conselheiros, algumas acatadas pelo Relator.

terça-feira, 7 de maio de 2019

Novo regimento das escolas públicas do DF é debatido por entidades

SEGUNDA, 06/05/2019, 12:05 Tema do dia CBN

Novo regimento das escolas públicas do DF é debatido por entidades

Educação. Foto: Pixabay (Crédito: )
FOTO:CBN BRASÍLIA BY PIXABAY
A diretora do Sindicato dos Professores, Rosilene Corrêa e o presidente da Associação de Pais e Alunos, Luis Claudio Megiorin, comentaram o texto e apresentaram críticas e sugestões.   

Ouça ao áudio> Clique

segunda-feira, 6 de maio de 2019

REGIMENTO ESCOLAR DAS ESCOLAS PÚBLICAS: primeiras impressões.




CLIQUE PARA ASSISTIR
 Secretaria de Educação faz mudanças no regimento das escolas públicas do DF

As mudanças trazem regras mais rígidas para coibir o comportamento inadequado dos estudantes dentro das escolas. Agora, as novas regras serão discutidas com os professores, pais e os alunos.


 CONTINUE LENDO! >CLIQUE